Imprimir esta página

Professora São-Tomense Defende «livre Circulação de Bens Culturais» na CPLP

Se a Lusofonia existe, Inocência Mata é uma das suas encarnações. Aquela ensaísta são-tomense, radicada em Portugal há 23 anos, é sócia honorária da Associação de Escritores Angolanos, ensina literatura africana na Faculdade de Letras de Lisboa e é professora convidada de várias universidades brasileiras.

Se a Lusofonia existe, Inocência Inocência Mata acredita, contudo, que a lusofonia é «um termo muito idealizado» e que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) «não está a ser um instrumento de afirmação internacional».

«A lusofonia devia ser uma noção cheia de pulsão contra a hegemonia da língua inglesa, mas está muito voltada para dentro», disse à Agência Lusa Inocência Mata.

Na sua opinião, em Portugal e nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) «ainda não se fez a catarse dos complexos coloniais».

«Somos também muito melindrosos e temos dificuldades em nos relacionarmos como entidades soberanas», disse.

Por outro lado, o português continua sendo «uma língua periférica» e os PALOP são «enclaves linguísticos», cercados por nações falantes de inglês ou francês.

«Se o Brasil não entrar na guerra da lusofonia, a guerra está perdida», afirmou.

Inocência Mata lamenta que a CPLP, fundada em Julho de 1996, ainda não tenha conseguido assegurar a «livre circulação de intelectuais, professores e bens culturais» entre os seus oito países-membros.

«Não falo de pinturas ou de outras coisas: falo de livros», disse.

«Há muita coisa boa da literatura moçambicana que não chega a Angola e vice-versa. Em Portugal, ninguém conhece os escritores guineenses e para um são-tomense ir a Angola é um inferno», acrescentou.

A pesquisadora considera as literaturas africanas de expressão portuguesa «duplamente periféricas» - periféricas no âmbito da lusofonia e no contexto africano.

Inocência Mata também é membro da Association pour l' Étude des Literatures Africaines (APELA), com sede na França.

Segundo contou, um artigo que escreveu sobre Pepetela, já depois daquele escritor angolano ter obtido o «Prêmio Camões», em 1997, «demorou quase dois anos para ser publicado».

Inocência Mata nasceu em São Tomé e Príncipe, fez os estudos secundários em Angola e vive em Portugal desde 1980.

É também professora de literatura brasileira e vai todos os anos dar aulas sobre literatura africana no Brasil.

Entre as várias obras que publicou estão uma antologia da poesia são-tomense e um ensaio sobre literatura angolana intitulado «Silêncios e Falas de uma Voz Inquieta».

«Sou são-tomense, mas também me sinto angolana e já vivi mais tempo em Portugal do que na África», diz Inocência Mata.

ANTÓNIO CAEIRO da Agência Lusa

 

Ler 4659 vezes

Itens relacionados