testeira-loja

Ainda e Sobretudo a Paixão: O Arquipélago da Paixão, de Vera Duarte Destaque

Escrito por  Simone Caputo Gomes
Classifique este item
(1 Vote)
A Carmen Tindó e a todos os colegas fundadores, com muita determinação, da área Literaturas Africanas de Língua Portuguesa no país.

A Carmen Tindó e a todos os colegas fundadores, com muita determinação, da área Literaturas Africanas de Língua Portuguesa no país.

1. Do Trajeto

«o Direito era a norma e a poesia o sonho»

Mais um belo livro de poemas de Vera Duarte...

O Arquipélago da Paixão retoma rotas traçadas na obra anterior, Amanhã amadrugada1, e aprofunda navegações e reflexões, evidenciando a intenção da poeta em continuar realizando um projeto que contempla os níveis existencial, nacional e universal, sob o signo da Paixão. Paixão que domina e que liberta, paixão do eu, paixão do outro, paixão-mulher; paixão do Arquipélago, Arquipélago de Paixão.

Tentemos acompanhar, no eco da voz de Vera Duarte, esses modos da paixão que nos são comunicados. No nível da estruturação, observamos um equilíbrio formal mais concentrado e maduro, se comparado ao do primeiro livro. O número total de poemas é menor (36) que o da obra de estréia (59) , embora mantenha-se a divisão em quatro partes ou «Cadernos», assim disposta, respectivamente: Caderno 1 (15 momentos), Caderno 2 (10 exercícios poéticos), Caderno 3 (22 poemas de bloqueio) e Caderno 4 (12 poemas), em Amanhã amadrugada (AA); Caderno 1 (12 poemas), Caderno 2 (10 poemas), Caderno 3 (7 reflexões) e Caderno 4 (7 navegações), n’O Arquipélago da Paixão (AP).

Quanto à interpenetração dos gêneros, poesia e prosa, apontada já pela epígrafe de Manuel Alegre aos «exercícios poéticos» de AA (Mallarmé tem razão./ A prosa não existe), mantém-se e apura-se em AP, em simetria quiasmática no primeiro livro, os Momentos intercalam a forma da poesia na dominância da prosa, os exercícios poéticos consagram a prosa e os dois cadernos posteriores elegem a forma da poesia, resultando num esquema aproximado PPVV. Na obra que ora prefaciamos, ao contrário, os dois

As dedicatórias e epígrafes, chaves importantes para uma orientação inicial da leitura dos textos, apontam para o passado-patrimônio (a memória do Pai, em AA, a Mãe/ e Antígona, em AP) e para o futuro (amanhã amadrugada, para além do horizonte, tempo de redenção em AA, tempo novo em AP), num trajeto libertário que conduz do pássaro fechado2 ao pássaro vermelho que voa no amor (AP) /columbina / borboleta (AA), que soltaram as amarras/ em direcção a uma madrugada diferente (AP).

Na ação das figuras de mulher que presidem este segundo livro de poesia, incluindo Florbela Espanca, cantora máxima da Paixão (outra linha dialógica que se adensa aqui), forja-se o futuro pessoal (sementes lançadas pela Mãe, útero e Terra-Arquipélago) e o futuro de todas as mulheres da terra (Antígona). Na complexidade (Dor-Prazer) da Paixão e nos vôos do Amor navega a poeta, vivencia e reflete.

Cabe ressaltar a produtividade literária do vulto heróico de Antígona, referido no teatro de Sófocles, Eurípedes, Racine, Alfieri e Anouilh, na ópera de Honneger e no balé de Cranko, ressignificado por Vera Duarte no âmbito do feminismo. Filha de Édipo e Jocasta e irmã de Polinice, é condenada a ser enterrada viva pela desobediência às ordens de Creonte, rei de Tebas, que a proibira de sepultar o irmão suicida. Antígona defende as leis não escritas do Direito moral ao insurgir-se contra a falsa justiça da razão do Estado, sepultando o irmão, que se enforcara.

O Direito era a norma e Antígona-Poesia, o sonho, a Liberdade. As sensações de fechamento (sepultamento) e vôo, propostas no poema tutelar do trajeto poético («Pássaro fechado», de Jorge Barbosa), de impossibilidade/bloqueio e de libertação (do/no amor, da mulher, do ser humano) concentradas na figura de Antígona e de seu amado Hêmon (filho de Creonte, que se apunhala pela dor de perder a noiva) alucinam o peito ardente do eu lírico.

Uma poesia intimista, de vivências intensas, de experiência de mulher, de exaltação dos sentidos, de momentos de plenitude, união e beatitude alternados com extremos de sofrimento, desencanto, solidão e dolorosa alteridade, que não esquece das guerras, das utopias, das revoluções de homens e mulheres, de seu Povo, de todos os povos do mundo é o que nos apresenta, em consonância com os aspectos destacados acima, O Arquipélago da Paixão de Vera Duarte.

2. Da Paixão

«Arrebatai a minha alma Para que, despedaçada, ela se liberte»

Em entrevista ao Jornal Artiletra (1997), falando sobre sua escrita, a autora a assume como «fonopaica»(escrita de emoção, segundo Ezra Pound) e que procura transmitir «uma mensagem de tolerância, beleza e liberdade que ajude a viver o prosaico quotidiano». Suas finalidades, catarse, cumplicidade (fecundar um idéia), afirmação (da mulher), essência (liberdade, felicidade). E a mensagem última é de liberdade.

Membro da Comissão Africana dos Direitos dos Homens e dos Povos, da Comissão Internacional de Juristas, da Associação das Mulheres de Carreiras Jurídicas, da Organização das Mulheres de Cabo Verde, seu activismo em prol das liberdades sociais, na praxis, é notório. Vejamos como se desenvolve esta paixão na poesia.

O cântico à mulher, entoado em Amanhã amadrugada, impresso em folhas de Cadernos cobertas de «pequenas formas arredondadas que talvez/ levem a mensagem do milénio mil, rica e sinuosa, vermelha como um grito e, acima de tudo, MULHER» ao próximo milénio, persiste na presente obra.

Em dueto com o eu lírico desesperado do poema (Deus te abençoe) que inicia a viagem já em diálogo com um Tu, surge Florbela Espanca, a quem Vera dedica o poema «Salmo para ti». Inúmeras passagens da poesia de Florbela, cultora exaltada da Paixão e da Dor, dos estados excessivos, da ânsia de infinito tornada patética pela constatação do finito, são revisitadas a partir deste segundo texto: «Fanatismo» («tu és como Deus: princípio e Fim»), «Loucura» («tropel febril a cavalgada/Das paixões e loucuras triunfantes»), «Exaltação» («irmã dos boémios, vagabundos e poetas»), «O maior bem» («E quanto engano nos seus vãos dizeres!...»), «Torre de névoa» (os dois versos finais reescritos «é desde então que eu choro amargamente/ na minha Torre esguia junto ao céu!...»).

Tal como Florbela, na primeira parte d’O Arquipélado da Paixão, o eu lírico é filha da Mágoa, Princesa da Quimera, e sente os passos da Dor, na noite triste, preta3.

Na impossibilidade do amor (título do primeiro Caderno), na tragicidade e monotonia quiasmática do refrão, debate-se o pássaro fechado: «ai pobre de mim traída/ ai pobre de mim deixada (...) ai pobre de mim deixada/ ai pobre de mim traída». Corpo e alma aniquilados, resta-lhe a mais desamparada solidão. A queda é irremediável da Torre junto aos céus:

Do teu cálice contudo

não bebi as delícias prometidas

nem da tua alma

as alegrias com que me acenaste

e no teu corpo

o meu corpo não repousou seguro» («Salmo para ti»)

Choram aqui também os poetas. O coração é uma chaga aberta:

Fissuraste a minha alma

com o teu amor inconsequente

e por ti me traí

Abriste no meu peito uma ferida

que não cessa de sangrar

e por ti me doí

Quis matar-te e viver-me

mas meu amor não deixou

e por ti me morri («Fissura»)

Contra esta paixão insensata, inexorável, insustentável ou amor totalitário, obsessivo, egoísta, desmedido, impotência e desvario (cf. poemas de título correspondente), cansado de seus próprios gemidos e mágoas, o eu lírico feminino, incerto e só, convoca almas redentoras e corações guerreiros para a sua salvação/libertação.

Depois de Antígona traz à cena Pandora, primeira mulher da humanidade, responsável pela vinda do mal sobre a Terra (por ter aberto o vaso onde Zeus havia encerrado todas as misérias). Esta, no poema Impotência, vai vingar a poeta e, ao mesmo tempo, dar-lhe a esperança:

quisera eu ser Pandora

e despejar-te todo o meu mal

fazer-te fraco e ser eu forte

de coração pérfido e face bela

para de amores por mim morreres.

Em «Sítios sitiados», outras redentoras, heterônimas e militantes da liberdade, cada qual a seu modo, habitam a alma da poeta. Safo, também ilhoa, evocou o amor, a morte, a beleza em nove livros de poemas; a rainha Ginga, irmã africana, em Angola, ergueu-se contra o colonizador, com todo o seu vigor matriarcal; Madre Teresa de Calcutá (Agnes Gonxha Bajaxhiu), Prêmio Nobel da Paz, 1979, na Ordem das Missionárias da Caridade amparava cegos, leprosos, aleijados, idosos e moribundos.

Na história de escravas humilhadas e das grandes redentoras, reais ou mitológicas, a poeta escreve também, «sangrando/ os séculos da história dos homens».

É preciso redimensionar a história do amor que «não dá risos nem felicidade» («Desvario»), que se alimenta do refrão monocórdico do «não posso» (poema «Por ti»). Deuses, demónios, boémios e escritores são ainda convocados como «testemunhas da condição humana» deste corpo que se quer insurrecto e que espera a libertação da dor («Corpo Insurrecto»). Em busca da recuperação do sorriso, do amor e da vida, é trazida à cena a figura de Penélope, no encadeamento dos poemas «Lonjura» e «O cinzento quotidiano». Distância e abandono, esperança de um mesmo / ou outro amor preparam o seguinte texto:

O amor morreu com Julieta

e Romeu nunca existiu

No prosaico quotidiano

teimosamente aguardo

contudo

em meu banco junto ao cais

qual Penélope desenganada

a chegada do amor

num Ulisses navegador

ou Passo-amor reinventado.

Consumida a Paixão, que a levava a destecer a mortalha (do sogro Laerte) cujo término acarretaria o fim da espera por Ulisses e a escolha de um novo pretendente, Penélope tem medo de reinventar o amor, de dar o Passo-salto: «mas meu coração teme amar(...)/Oh alma redentora /salva-me deste indigência /arma-me de um coração guerreiro /para que eu possa me salvar»! Destecer à noite a mortalha é amortalhar-se cada vez mais. Penélope precisa mover-se, ela mesma navegar, lançando-se, da «espiral terrível e desvairada que aterra e devora», do atrelamento a um dono que domina a sua paixão (poema «Navegações»), para lá da dor, no além-vôo do amor que liberta. E este é o título do Caderno 2.

3. Do Amor

antes «Neste momento em que te amo...

êxtase e paixão eu e tu

mãos vazias sentados na ilha (...)

corpo carente» saberemos ser

amor »

Na navegação do segundo Caderno, aquele eu lírico triste e choroso, que ama «demasiado», que é capaz de «troca(r) o verde a chuva e a vida» pela atenção do amado («Por ti») mesmo sabendo que chuva e verde são sinónimos de vida em solo crioulo vai começar a descobrir a alegria nuns olhos lunares/marinhos. Este novo Ulisses vai ser capaz de despertar um novo modo de paixão («Uma centelha faiscou»), que troca a mortalha pelo «Existir» e o «Sentir» (títulos de poemas):

Pois eu não me sabia assim

Meu coração

Não batia assim

Minha paixão

Não sentia assim («Sentir»)

O novo amor habita o corpo da poeta, sem pecado, sem culpa, pois que «hoje» ela já é «dona» dos seus jardins, «livre e insubmissa», já deixou gravados os «Sinais» da sua trajetória histórica e existencial:

Pelo tempo por que passei

deixei gravados os meus sinais

d insurreição, revolta e rebeldia

e d alegria para lá da dor(...)

d escrava amarrada ao tronco

esperando a cruel chibata

de pobre jovem impúbere

abusada por todos os senhores

de anónima operária exangue

aos desmandos do patrão

de triste esposa submissa

obedecendo ao rude senhor (...)

deixei gravados outros sinais

de jornadas de luta

de oitos de Março

do repto de Rimbaud

do no woman no cry

da fantástica solidariedade

Pelo tempo por que passar

Deixarei gravados outros sinais

sinais de fogo

de sangue

e de amores

Recuperada, no fundo da caixa de Pandora, a esperança, o poema-manifesto Ortodoxias em desagregação traz de volta o sorriso, revoluções que libertaram e utopias que triunfa(ra)m, e deflagra a ação: «QUERO/ poder, conhecer, visitar, cantar/ e tudo o que cheirar a liberdade». Em recolecção, reaparecem aqui algumas das personagens femininas disseminadas na primeira parte (Antígona, Safo, Ginga), superpostas no sujeito lírico que se qualifica como «uma mulher de outubro/ uma mulher de Outubros», justiça-beleza-bravura. Conhecemos esta mulher. Cada uma de nós, mulheres do século XX, tem ou almeja ter um pouco dela.

Conhecemos Vera Duarte. E sabemos, para além de sua militância poética, de suas grandes preocupações com o destino do ser humano:

cuidarei das crianças desamparadas

tratarei das mulheres violentadas

acalmarei os velhos abandonados

e cumprirei

enfim

meu destino peregrino

Reconquistada a dimensão do desejo que move a ação, chegamos ao que considero o êxtase d O Arquipélago da Paixão, os poemas que compõem «A trilogia do amor» e o poema subseqüente, «A Canção do Corpoamor». Naquele conjunto a poeta encena e prepara, em três actos (alma, corpo, febre), o encontro-dança que chega ao ápice na Canção.

Reinscrevendo o tema do terra-longismo caboverdiano (partir/ ficar) num universo intimista, o eu lírico afirma «desvendado o segredo do amor» no acto primeiro ele cresce na reciprocidade e na liberdade. O «barco carregado de estrelas», o vôo e os corpos em festa bem o demonstram no campo das imagens. O acto segundo apresenta o corpo que explode e transcende, uma vez mais projetado no espaço aéreo («e me alceietérea», «miríades de estrelas»). O amor compartilhado, como na poesia de Vinícius, tem sabor de eterno enquanto dura, delirante, intenso:

por um instante eterno

fizeste-me deusa e rainha

fiz-te amo e senhor

e nos rendemos

maravilhados

à quimera do amor

E o prazer mútuo traz a almejada felicidade...

deixa-me, oh deixa-me

comungar-me do teu corpo

neste delírio partilhado

Ao homem lunar que surge no Caderno 2 dedica a poeta a sua mais bela «Canção» e o seu «Corpoamor», ágil, solto e livre. Vale a pena ler o poema em voz alta, várias vezes, no seu jogo de paralelismo e diferença, em ritmo de grito e êxtase. Marquemos algumas passagens:

Ter-te-ei alguma vez dito

homem de tormentas mil

e desassossegos vários

que tu és o meu homem (...) quando

em êxtase

cavalgo pelas estepes agrestes

do teu corpo perfeito

bô ê nha ôme (...)

Tu és guiné

e és berlim

tu és praia

e és salamansa

tu és nicarágua

e és mi hombre

Quero ter-te em paixão

com sabor do maracujá

que me enlouquece os sentidos (...)

Por teu corpo de homem

me faço e refaço

desfaço e renasço (...)

Teu corpo é corpo de homem

onde desagua meu rio de mulher

Tu est mon homme (...)

du bist mein man, you are my man, bô ê nha ómi »

Fica-nos o refrão na memória, enquanto o eu lírico feminino, de corpo ressignificado, apoteoticamente ouve a música da terra e dança, no momento doencontro de corpos, almas e febres:

E quando meu corpo renascido

suadamente repousar sobre o teu

ouvirei o som distante

de um batuque original

nas batidas de teu coração

e em teu ventre liso e marinho

abrirei uma clareira luminosa

onde dançarei

nua e voluptuosa

essa dança tão africana

de alegria

de amor

e de júbilo

bô ê nha ómi

bô ê nha ómi

4. A Paixão do Arquipélago

«Somos filhos dilectos De um povo herói do quotidiano»

Em todos os textos de Vera Duarte encontramos uma paixão confessa e maior Cabo Verde. Neste, especialmente, e pelo que temos exposto, a interlocução com a Literatura Caboverdiana, da claridosa à contemporânea, é freqüente: a poeta convoca Osvaldo Alcântara (Baltazar Lopes /Nhô Baltas), Jorge Barbosa, Manuel Lopes, Mário Fonseca em suas epígrafes e em contrapontos temáticos. Também o diálogo com a cultura crioula, a África berço e os irmãos de língua portuguesa (Angola, Brasil) vai sendo habilmente tecido. O poema «Vozes em contraponto», dedicado a Mário de Andrade, intelectual e militante angolano, fala-nos da luta e do eco solidário, une sonhos de liberdade e realidades.

se,

espalhando-se pela rua

o som pesado do silêncio

invadir o nosso

quarto

e violentamente

me quizer arrastar

arma-te

comigo

e não deixes

que um último som bonito

se apague

mas

se subindo da rua

da praça e das achadas

um som colorido

de vozes soltas

e palavras cheias

me encontrar

em sono profundo e exausto

acorda-me amor

sacode-me

pois

contigo irei para a rua

soltar os risos reprimidos

deixar correr as palavras sufocadas

e ouvir

das vozes em contraponto

o eco devolvido

dos nossos anseios»

O Poema-manifesto Ortodoxias em desagregação estabelece um elo nítido com o Caderno 3 (reflexões), quando marca os «momentos iniciáticos /que incendiaram o coração dos homens» as revoltas dos escravos, os outubros de dezasete, as áfricas de sessenta, os maios subversivos, os abris, as mulheres que ousaram/que fizeram, as revoluções e mergulha os pés e mãos em solo crioulo, com abertura para o mundo:

quero poder

por meus pés

cruzar ares

cruzar mares

conhecer gentes visitar povos

cantar independências

e tudo o que cheirar a liberdade (...)

cantar o orgulho de ser-se Povo

cantar a glória de ser-se Nação

A tristeza e a raiva pela miséria, o ódio pelo genocídio, a guerra, a fome, o sida, a solidariedade pelas crianças aleijadas e famintas (produtos da tragicidade da guerra na África e no mundo) lançam este eu lírico para além de uma insularidade que se «fecha» na passividade da evasão, fazendo ponte ativa com o universal:

não quero mais partir!

de malas desfeitas

quebrarei na ilha

a prisão das ilhas

e voarei para lá do horizonte

com os pés fincados na areia

Homenageando e, ao mesmo tempo, operando uma releitura dialética do texto da Claridade, Vera Duarte inicia as reflexões do Caderno 3 a partir do diálogo entre Jorge Barbosa e o «irmão atlântico» Manuel Bandeira, semente da modernidade do discurso claridoso e de um aspecto revolucionário dentro da Literatura feita em Cabo Verde, mais precisamente a mudança de foco de um hesperitanismo, ainda comprometido com uma estética gasta e colonial, para o telurismo crioulo, que caminhará posteriormente para a caboverdianidade. Jorge Barbosa, em sua Carta para Manuel Bandeira (Claridade 4), vai empreender uma viagem imaginária e a busca (até o impossível) da estrela da manhã, para ofertá-la, do outro lado do Atlântico, ao poeta brasileiro, através da porta o Atlântico, estrada cultural4: entreaberta.

O gesto de solidariedade é repetido pela poeta na reflexão 1, com carga de denúncia e intervenção social, quando passa, também sem qualquer palavra (apenas gesto, como faz Barbosa) a estrela da manhã dos poetas aos meninos caboverdianos, esqueléticos, filhos da pobreza, abandonados à fome crónica.

Na segunda reflexão, o tema da viagem continua sendo explorado, na ótica de Nhô Baltas (Baltazar Lopes), associando quotidiano de miséria e evasão/emigração. Um dos consagrados temas literários caboverdianos é sublinhado, a ânsia da partida.

Utilizando o processo de leixa-prem, que encadeia cada texto com o posterior, a próxima reflexão apresenta as mulheres caboverdianas chefes de família, mães de inúmeros filhos de pai ausente (por emigração) ou incógnito, fato que não é suficiente para minar-lhes a força e o sorriso: «Elas invadem a cidade com o seu coloquiar alegre e barulhento, e sorriso alvo e rijo de mulheres que não hesitam face a nada para poder criar os filhos.»

O novo tema de reflexão (4), a chuva, dispensa comentários, a partir mesmo da dedicatória ao Manuel Lopes do Flagelados do Vento Leste. Representa, na maioria dos textos caboverdianos, a angústia, a esperança, o passado, o presente e a possibilidade de futuro.

Num céu de um azul indescritível navegam nuvens carregadas de esperança. Pouco abaixo uma terra fissurada por anos de seca, desesperadamente espera que as nuvens se precipitem sobre ela abençoando as sementeiras dolorosamente parturientes, as almas ressequidas e as rochas escalabradas. (...) Quando finalmente a esperança sorrir num céu carregado de nuvens e num arrepio da pele mal agasalhada, as águas desabarão violentas e, sem compaixão, arrastarão para o mar profundo tudo o que foi esforço, entrega e devoção, nesta crença irrenunciável e dolorosa da chuva que virá.

A circulação na ponte atlântica ainda se faz na reflexão 5, com o abril e o sonho futuro celebrado junto com o poeta português Manuel Alegre. Depois da estação da Dor e da estação da Assimilação e da Denúncia, estamos entrando na estação do Amor5.

Na sexta reflexão, dedicada a João Paulo II, a poeta vai olhar o mundo e sonhálo para além da ilha, sem guerras ( Angola-Nação, Burundi-paraíso), sem fome.

Uma reflexão muito pessoal fecha o Caderno 3 (e abre as navegações) assumindo o SER mulher e humana, com todas as suas conseqüências e implicações. A alegria, a espontaneidade e o gosto pela liberdade me condenam. Pretexto para as acusações que não faltaram. (...) Contudo sou. Orgulhosamente sou. Com uma sobranceria de defesa o parecer tem de ser emanação do ser. (...)

Mas, qual Florbela, sinto que a minha sede de infinito é maior do que eu, do que tudo. Voltamos ao início, à Paixão. Novas navegações serão realizadas e novas estações visitadas. Chegamos ao Caderno final (4).

5. O Arquipélago da Paixão

«A mensagem última é de liberdade.»

Em epígrafe de John Keats, afeto e imaginação destacam-se como norteadores da navegação. A imagem do pássaro fechado, compartilhada com Jorge Barbosa, retorna na navegação 1, engaiolada, cobrando ainda «explicações tão urgentes quanto inexistentes sobre a salvação do mundo e a redenção dos homens». E a poeta FALA. Em versos homéricos, de origem. Fala e recolhe os fios que lançou ao longo de seu texto, de seu longo poema, misto de lira e epos:

Falo de Deus e do nada. do caos e do recomeço. de Abel e eternamente Caim. de Romeu e Julieta e a negação do amor. Sobretudo falo-lhes de Antigona. E de clareiras abertas no mato, de navios negreiros, de porões ensanguentados. E de terras, em terras, de outras terras, de escravos amarrados ao tronco esperando a chibata, e as mulheres que cochiam o milho e rodopiavam ao som do batuque.(...) Fitar bem no fundo dos olhos de cada pássaro engaiolado e aquecê-los numa fogueira de amor e ternura. A partir daqui, as navegações retomam estações já visitadas e as redimensionam: a dor (navegação 2), a outra (mulher, 3), a amizade (4), a paixão (5), o amor (6), o juízo final (7, ainda o amor); as navegações da mulher, a relação com o outro e a harmonia entre os homens coroam o livro, num epílogo ainda reflexivo. A navegação 2 localiza a dor num corpo de mulher (feito cadáver pela violência do companheiro), documentando a persistência daquela, apesar do feminismo e do neofeminismo.

A navegação 3 prossegue uma indagação sobre o amor e a condição da mulher no mundo atual, recorrendo novamente a um artifício heteronímico para o eu líricom feminino, através do fenômeno da «habitação», já citado antes em relação a Antígona, Ginga, Safo, Florbela. Neste momento, dito de «civilização incoerente», a outra, Madalena, é evocada, como possibilitante de insubmissão («total, a felicidade Suprema»), tendo como contraponto Maria Virgem-Mãe e «um destino feminino sem subversões, feito de silêncios e renúncias».

Chegando quase ao limite da(s) rota(s) traçada(s), a navegação 4 apresenta, entremeada à prosa poética das navegações, a forma do verso, «lírica mensagem de amor/ no vermelho ardente» que lembra «a mensagem do milénio mil, vermelha como um grito/ MULHER» do Momento IX, de Amanhã amadrugada.

Mergulhando na paixão (5), definindo-a como «feita de material incandescente e precário», a poeta atinge, apesar desta certeza, a estação do amor (fecundo e jubiloso, correspondido), nas navegações 5 e 6. A felicidade e a plenitude são documentadas pela escrita: «o que eu quero é que se eu morrer amanhã todos saibam que morri feliz».

Enfim, a navegação 7 (número cabalístico), o juízo final. A aprendizagem do amor e a sua definição pela experiência. A iniciação pela Dor está completa. Voltando ao começo, na infinitude do circular, fomos, com o texto de Vera Duarte, visitar o pássaro fechado.

Transformado, o pássaro vermelho e lindo voou...

Notas

* Este texto prefaciou a edição caboverdiana de O Arquipélago da Paixão. Praia: Artiletra, 2001, a pedido da autora Vera Duarte. O livro ganhou em 2001 o Prémio de Poesia Africana Tchicaya U Tam’ Si.

1 DUARTE, Vera. Amanhã amadrugada. Lisboa-Praia: Vega-ICLD, 1993. primeiros Cadernos compõem-se de poemas e os dois últimos, de textos em prosa poética, num plano esquemático VVPP.

2 Poema de Jorge Barbosa, referido nas duas obras: em AA, a última estrofe é epígrafe do Caderno 1; em AP, a primeira estrofe é a epígrafe do Caderno equivalente.

3 Poemas O que tu és, Sem remédio, Noite, de Florbela Espanca.

4 Comunicação proferida por Vera Duarte no Encontro Internacional de Literaturas de Língua Portuguesa, Belo Horizonte, Brasil, ano 2000, de título: «O Atlântico, estrada cultural, e a poesia cabo-verdiana do século XX».

5 Ibidem, as estações da estrada cultural cabo-verdiana, numa ótica atlântica. epidemias, sem discriminação, sem lutas pelo poder. Pleno de convívio, amor e felicidade.

Ler 7118 vezes

Contacto

AV. Ho-Chi-Min, Largo das Escolas
1.º de Maio - CEP 2767 Luanda

Telefone: (222) 322 421 Fax: (222) 323 205

e-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Blogs

blogspotuea1    blogspotueamulembeira           blogspotueanguimba
         
ytlogo2   blog-poetenladen   logotips